A unidade do ser



Todo ser humano está sujeito a ilusão, bem como a uma variedade de falsas ilusões à satisfação de nossos desejos. As nossas estratégias defensivas e os desejos escapistas em geral parecem extremamente superficiais e, em grande parte pouco autêntico mesmo para os que o empregam. Essa prática tem levado a humanidade a procurar estar com uma agradável sensação de comunhão com o Universo. Nos dias atuais torna-se cada vez mais difícil nos mantermos atentos e, até certo ponto, ligados com as energias que nos cercam. No entanto, para aqueles que alcançam tal feito, a sensação é agradabilíssima. Sentir-se em completa harmonia com o Universo ou, até mesmo com outra pessoa é uma dádiva que nos foi dada pela Criação, mas lamentavelmente são pouquíssimas as pessoas que de fato conseguem alcançá-la. A experiência é tão profunda e misteriosamente indecifrável que, embora possa ser momentânea, não pode ser rejeitada como simples evasão ou defesa, mesmo que involuntária contra verdades indesejáveis ao nosso ser. A fusão do sujeito com o objeto, do eu com a natureza ou com a pessoa que amamos profundamente pode ser reflexo da união original com a mãe com a qual todos nós começamos a vida e, a partir da qual aos poucos descuidadamente nos desligamos como entidades separadas. É por esse motivo que, grande parte da humanidade tem buscado na religião o seu amparo original. O ser humano busca com o fervor religioso esse elo que, inevitavelmente, perdemos ao nos tornarmos seres adultos. E, essa fonte que parecia inquebrável se desfaz quase que completamente com o passar dos anos. Muitos são levados ao fanatismo religioso e os mesmos se cegam por completo. Muito se fala do amor, mas poucos o praticam de forma genuína. O amor que nos move atualmente nada mais é que interesses e superficialidades banais. Muitos dizem amar alguém, mas os mesmos esquecem de procurar cuidar de si mesmos e, acabam por enganar a si próprios. Criamos a ilusão que um dia seremos felizes se conseguirmos realizar todos, ou quase todos nossos sonhos e objetivos de vida, que seremos verdadeiramente felizes ao encontrarmos uma pessoa que, de fato nos complete. Quando falo em completar, não quero dizer necessariamente completar em corpo físico em troca de beijos, abraços e transas ardentes de prazer e paixão. Eu digo completo num todo. Isto pressupõe que, a união deve ser totalmente plena. Não somente carnal e sexual. Mas, sim nossa alma, nossa verdadeira essência, aquela que vive em nós, mas todos fazem questão de ignorá-la. Seres que se unem em essência e se completam num só. A unidade do ser, que não separa e nem rejeita e repele o outro. Essa verdadeira união é dificílima de se alcançar, mas para os que alcançam a felicidade é tão natural quanto o ar que respiramos. Se você procura somente um corpo físico para satisfazer suas necessidades, saiba que, cedo ou tarde o corpo envelhecerá e apodrecerá. Se extinguirá a partículas invisíveis de energia cósmica ou, para os religiosos, retornará ao barro como diz a escritura sagrada. E você, tem procurado a completa união com alguém ou tanto faz? Certamente o ato sexual é um dos hábitos mais prazerosos na existência de qualquer mortal, seja homem ou mulher dependemos do sexo para mantermos nosso próprio corpo físico saudável. Mas a nossa existência não depende unicamente de sexo. Ele é somente um dos muitos hábitos que mantém nossa existência nessa incrível jornada que chamamos de vida.

4 comentários:

  1. Uau! Muito bom seu texto Luciano. Meio que abriu meu olhos haha a fase da adolescência me faz esquecer que um dia vou envelhecer e meu corpo não servirá para nada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Melissa. Aproveite a sua adolescência, com responsabilidade é claro. Abração!

      Excluir
  2. Sobre essa completa união a alguém, faço parte da minoria do universo, não saindo em busca dessa necessidade que se torna algo muito grande nos seres humanos. Entretanto, seu texto é realmente muito interessante: esse conjunto do abstrato com o concreto é muito bom de ser discutido.

    Valeu!!!

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Seres que são regidos pelo signo de aquário são extremamentes libertários. Sua liberdade vem em primeiro lugar. O elemento é o ar. Como se faz para prender o ar? É por essas e por outras razões que, aquarianos não fazem questão nenhuma de se prender à alguém. Abraço!

      Excluir

Conheça mais sobre o fundador do Marcas Literárias

LIVROS DO AUTOR LUCIANO OTACIANO EM DESTAQUE

#PapoComAmanda: Especial Halloween

Artigos, crônicas, contos, poesias e destaques