Viva 'Noites de Terror' com as personagens de Rubens Pereira Junior


Livros de terror sempre me conquistam, e sou muito suspeito para falar sobre essas histórias que, às vezes, de tão atraentes e diferenciadas, causam efeitos inesperados após a leitura. Ultimamente tenho feito umas escolhas interessantes para leituras e releituras e, nestas que se iniciam inéditas entre minhas coleções, encontro um turbilhão de impressões, e os impactos têm sido cada vez melhores. Comecei, por essas madrugadas, a leitura de Noites de Terror, livro escrito pelo booktuber e autor Rubens Pereira Junior. Iniciei a leitura esperando encontrar contos de terror reunidos em uma compilação, já que não li a sinopse e confesso que só a capa foi o suficiente pra fazer a mente imaginar os possíveis encontros após adentrar o enredo. Bom, pra quem esperava uma história instigante, valeu a pena conhecer autor e obra.

Há muita coisa boa que se passa em Noites de Terror, que começa o seu enredo com (um ápice), exibindo influxos interessantes e intensos, cheios de mistério e ação. Pude reparar que os protagonistas de Rubens em muito se assemelham entre si, já que estão em busca de algo que, às vezes, não se é possível ter: um porto seguro sem nome, que de vez em quando se chama paz, outras, esperança... E, antes de continuar, digo que a jogada com o outro paralelo exibida em Noites de Terror são, de certa forma, sedutoras e macabras, e fizeram-me recordar momentos especiais vivenciados em minha realidade no mundo do terror. A verdade é que a casa da Floresta dos Carvalhos guarda muitos mistérios e desafia àqueles que por lá adentram. 



Noites de Terror / 268 páginas / Rubens Pereira Junior / 2015 / Terror / COMPRAR

Será que nós estamos impunes a todas as maldades que fazemos com outras pessoas? Será que não há um pagamento que temos que acertar em determinado momento de nossas vidas, a fim de pagar por tudo que ruim que causamos a outras pessoas? Será que existe um mal puro e encarnado, somente esperando o momento certo para cobrar esse pagamento?

Lucia vem tendo pesadelos contínuos à uma semana, onde se vê parada em um interminável corredor cheio de portas e tomado por névoa, onde, em meio à neblina um ser trevoso se ergue no ar. Mas, o que mais aterroriza a garota é o par de olhos vermelhos profundos que encaram ela com uma fúria quase palpável. E para piorar, mais tarde ela descobre que o corredor de seus sonhos é o mesmo da futura casa onde sua família irá residir: a casa da Floresta dos Carvalhos. 
E a residência tem a fama de ser mal assombrada.

Lucia, desesperada em manter sua popularidade na escola onde estuda vê o fato como um atentado à sua reputação então, tenta ao máximo manter sua 'realeza' do melhor jeito que sabe: sendo temida, respeitada e invejada por todos.
Mas, quanto mais ela se impõe e maltrata pessoas ao seu redor, mais coisas estranhas começam a acontecer com ela e respectivamente com seu irmão mais novo, Ed. E ela começa a perceber que seus pesadelos na verdade eram um aviso para algo de ruim que vinha de encontro à ela, cobrar todo o mal que ela já casou a outras pessoas. 

E da pior forma possível...



Entre os elementos presentes em Noites de Terror vemos alguns dos já conhecidos do público do horror: crianças esquisitas, vultos, corredores obscuros, escadas, portas que rangem, demônios e espíritos vingadores, todos aglomerados num enredo onde o autor tem calma em desenvolvê-lo, o tornando bem intriguista, apesar de quase tudo se passar, em sua maior parte do tempo, em um mesmo local, a casa assombrada. Mas esse pano de fundo clichê, com a velha 'casa assombrada' dos filmes de terror, não impede que o progresso da história aconteça. Rubens Pereira não se preserva em expandir, quando inevitável, seus locais e personagens, deixando-os mais fidedignos. Ao acompanharmos a trajetória de Lucia, descortinamos a retratação do combate individual do ser vivente contra as trevas, situação até comum, mas que muitos escondem dentro de si próprios, por medo. Isso, às vezes, estoura como uma bomba e precisa ser enfrentado. Em Noites de Terror, o autor convida o leitor a encarar junto com os seus personagens, seus maiores medos e transformá-los em uma carta coringa contra o próprio opressor. Entre as personagens criadas por Rubens Pereira, curti demais o pequeno Ed. O menino se sai bem em muitas as situações e durante grande parte da história mostra um ar moleque e divertido. Lucia, sua irmã, também foi muito bem dominada pelo autor, que sabe aproveitar as características da jovem e usá-las com perfeição.

''O medo em Lucia crescia cada vez mais ao ver que seu horror não tinha fim. Aquele ser lhe perseguindo estava cada vez mais próximo... as pernas doíam de tanto correr naquele corredor sem fim...''

Dizer que a escolha do título foi acurada e a sua paridade com o enredo é precisa, é, de fato, significativo para o leitor. Resumindo, encontramos na história, verdadeiras noites de terror e todos os elementos desenhados na capa. A coerência é direta.

As falas em uma história são partes medulares da própria, e quando não geradas com consenso, acabam prejudicando o livro. Aqui isso não acontece. Pude reparar, sem problemas, as cenas se formando enquanto lia os diálogos entre as personagens; bem trabalhados, convincentes e realísticos. Os sentimentos e as personalidades de cada um é bem transmitido nas conversações.

''Óh, guardiões dos portões da morte, senhores do além, afastem seus gatos da frente, retirem as nuvens que cobrem meus olhos, deixem-me obter o contato com os deres além-vida... Terríveis sonso de sussurros, gritos e risadas abafadas todos ao mesmo tempo surgiram em todo o cômodo, aterrorizando a todos. O frio tornou-se sufocante.''

O conteúdo, num geral, é enigmático. Quando nos damos conta estamos envolvidos num suspense sobrenatural bem arquitetado, fato diferente das críticas que eu ouvi sobre o livro antes de conhecê-lo. O autor sabe envolver a gente e cabe somente a nós, deixar ou não que a história preencha os espaços ocultos em nossa mente afim de interligar fatos. Falando em fatos, um ponto muito interessante que encontrei em Noites de Terror é a atribuição da palavra (Ele) grafada com inicial maiúscula para designar o (ser maligno) da história. Sabe-se, entre os mais religiosos, que esta grafia está prevista somente para o maior ser celeste dentre todos os outros, — Deus —, para aqueles que creem. Achei esse fato ousado e diferenciado.

Uma das razões que também me fizeram seguir a leitura até o fim, foi a escrita simples e suave do autor, que não exibe ainda uma técnica de mestre, mas que demonstra segurança e paixão o tempo todo. Percebe-se a necessidade do autor em querer jogar para fora as suas ideias, sentimentos e percepções sobre as temáticas expostas. O modo como ele escreve é, de certa forma, aliviante, e não somente para as personagens, mas primeiramente para ele próprio. Quem escreve, quer transmitir, e nesse ponto Rubens consegue atingir o seu objetivo também, pois o processo de cessão entre autor e leitor é muito bom. Em meio às sombrias ocorrências, Rubens consegue apresentar outros assuntos, estes mais sérios, que precisam ser reflexionados, dentre eles, problemas causados por distúrbios psicológicos, como a loucura e a anorexia — pautado com habilidade durante o enredo —,  o impacto com a popularidade e os relacionamentos interpessoais, as personificações de vidas passadas, e simbologias e magia negra. O final do enredo é sangrento. As notas do autor ao final do livro, garantem ao leitor matar a curiosidade sobre o enredo e suas influências. Gostei disso!

A cada livro nacional que leio, percebo que realmente os resenhistas nacionais estão cada vez mais incoerentes nos critérios de suas críticas, não sabendo o que exatamente criticam e por quais motivos apontam os erros. Não levam em consideração o esforço do autor para desenvolver o enredo, e para inserir e criar as personagens ou elementos nos assuntos que querem transmitir. Estão ficando cada vez mais exigentes, e sem necessidade. Costumam levar em consideração a comparação a outros grandes nomes da literatura mundial, que muitas vezes não colocam conteúdo fundamental algum em suas histórias ou as deixam artificial e sem rumo. Os resenhistas brasileiros buscam o quê, afinal?

Para um booktuber aspirante a escritor, Rubens mandou muito bem. Noites de Terror não chega realmente a ser tão sombrio ou causar arrepios na pele, mas é conduzido muito bem e apresenta um conjunto de assuntos e acontecimentos muito bem criados. Decerto, alguns pronomes foram usados com exagero, repetindo-se várias vezes sem necessidade, e uma revisão no texto geral o faria ficar mais harmônico. Entretanto, essas questões não apagam o brilho da obra. Rubens mostrou que pode nos trazer, num futuro bem próximo, ótimas histórias de terror. 

''...Acho que isso é tudo bobagem. Fantasmas, demônios e coisas do além não existem. O perigo maior não está nos esperando no canto escuro de um quarto, mas sim no fundo mais obscuro de nossa própria mente...''; e, não seria, o fundo mais sombrio de nossa mente, um verdadeiro quarto de escuridão total e sem saída?

9 comentários:

  1. Eita, assumo, sou medrosa e aprendi a amar o gênero "terror" (vai entender). Vejo as pessoas falando de Sthepen King, sim, ele é fantástico, mas o que essas pessoas diriam se soubessem que eu não gostava de terror? Sempre começava e não terminava a leitura, até que eu li um conto nacional e depois outro e outro e hoje eu amo terror. Hoje as pessoas julgam a capa, as páginas, as imagens, o peso do nome do autor ou editora, mas sinto falta de resenhas como a sua, que expõe a essência do livro, o enredo, personagens, enfim, você sabe resenhar Leo, é um dos seus dons. Fiquem curiosa com a obra, e o fato do autor ter conseguido inovar em um enredo que tinha tudo pra ser previsível, já me ganhou. Com certeza uma das minhas próximas leituras obrigatórias.
    Beijinhos amigo!

    ResponderExcluir
  2. Eita, assumo, sou medrosa e aprendi a amar o gênero "terror" (vai entender). Vejo as pessoas falando de Sthepen King, sim, ele é fantástico, mas o que essas pessoas diriam se soubessem que eu não gostava de terror? Sempre começava e não terminava a leitura, até que eu li um conto nacional e depois outro e outro e hoje eu amo terror. Hoje as pessoas julgam a capa, as páginas, as imagens, o peso do nome do autor ou editora, mas sinto falta de resenhas como a sua, que expõe a essência do livro, o enredo, personagens, enfim, você sabe resenhar Leo, é um dos seus dons. Fiquem curiosa com a obra, e o fato do autor ter conseguido inovar em um enredo que tinha tudo pra ser previsível, já me ganhou. Com certeza uma das minhas próximas leituras obrigatórias.
    Beijinhos amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Kali, muito obrigado. Que bom que veio me visitar. Volte sempre.

      De essa chance para essa leitura. Vc vai adora.

      Beijos.

      Excluir

  3. Apesar de eu não ler esse gênero comumentemente, essa obra parece-me muito interessante. Para os que realmente idolatram esse gênero, deve valer muito a pena lê-lo. Parabêns pela resenha, como disse a leitora Kalita, tu resenhas muito bem, assim como escreve com maestria. Fiquei muito curioso em ler o livro, apesar de ser basicamente um suspense, acredito que, quem o lê, ficará satisfeito ao fazê-lo. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Luciano, realmente o livro é muito interessante.

      Abraços.

      Excluir
  4. É notório essa sua forma diferenciada de fazer resenha. Apresenta o livro de forma encantadora. És muito bom com as palavras!! Sou fascina por esse gênero. Curto por demais o que este me provoca, no entanto, acredito ser uns dos gênero mais difícil de escrever. Pela resenha e capa o livro parece muito bom. E sim, quero lê- lo. 👏👏

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Geh, concordo que o terror é um dos mais difíceis de se escrever realmente.

      Obrigado pelo carinho de sempre. Grato pelo elogio.

      Beijos.

      Excluir
  5. Ual parabéns adorei a resenha!!! Estou gostando cada vez mais deste gênero.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse gênero me instiga cada vez mais. Adoro conhecer histórias de terror. Nacionais então, me deixam ainda mais empolgado, porque temos excelentes autores que conseguem desenvolver muito bem as tramas e apresentar os elementos. Rubens é um desses. Adorei o que vi em seu livro.

      Beijos Luh.

      Excluir

Conheça mais sobre o fundador do Marcas Literárias

LIVROS DO AUTOR LUCIANO OTACIANO EM DESTAQUE

#PapoComAmanda: Especial Halloween

Artigos, crônicas, contos, poesias e destaques