Encanto e ensinamentos encontrados em 'O Príncipe Congelado'


Quem aí nunca quis viajar por um mundo onde existe príncipes e princesas, enormes castelos e muito encantamento? Na literatura fantástica e nas telinhas do cinema essa mistura entre o mundo real e o mundo utópico é bastante conhecido e apreciado pelos leitores e fãs do cinema. Muitos roteiristas e escritores gostam de usar suas habilidades para mostrar aos seus fãs e seguidores, de diversas maneiras, um confronto de valores sociais espelhado pela lealdade na forma de exibição de problemas individuais. É exatamente um modelo desse tipo que encontrei na leitura do livro O Príncipe Congelado escrito pelo autor Raigor Ferreira. Na verdade é uma releitura cheia de gostinho de "quero mais" e de novos sentimentos e aprendizados. Ler o livro é sentir e se encantar com toda a beleza natural dos elementos da narrativa.

O autor, esbanjando talento, transforma o leitor em parte do conjunto elucidativo exibido com consciência e força. Sim, o conto é forte, apesar de cativar pela maneira infantil e direta como é apresentado. Usa-se, momentos com metáforas e sinestesias que se encontram e deixam o leitor com um misto de sensações agradáveis, pois o conteúdo não é exatamente o de um 'conto de fadas' onde tudo é perfeitinho. Raigor Ferreira usa das desventuras da realidade social para dar a essência verossímil de sua narrativa fantástica, por sinal, repleta de encanto. Apesar de curto, há conteúdo, e este é extremadamente importante na formação ideológica do leitor. Em outras palavras, o conto é brilhante e muito rico em ensinamentos. 



O Príncipe Congelado / 9 páginas / Raigor Ferreira / 2015 / Fantasia / COMPRAR

Nas terras longínquas do Reino de Arvoredo, os habitantes já estavam acostumados com um príncipe fora do tradicional. Phelipe, o herdeiro superestimado do trono tinha uma condição exótica e que fazia os moradores do Reino se perguntarem: “Como alguém pode ser tão gelado?”. A resposta para a pergunta não era simples e esmerada. Na verdade, era muito complexo entender o que tornara a majestade, um homem tão frio e indiferente.



Um dos pontos mais importantes observados no conto do autor é o assunto comportamento humano, que determina uma das tantas essências existentes nessa história com fortes aspectos de fábulas fantásticas. Raigor não se intimida em mostrar uma proporção até elevada de tragédias do cotidiano — obviamente todas retratadas num cenário e num estilo mais amistoso —, e isto deixa o leitor a vontade para formar um embate à vida real e ao presente, mostrando as consequências de atos e vivências do passado. A FRIEZA do jovem príncipe Phelipe, assim como o título sugestivo do conto, retrata não somente a condição física do protagonista mas também seu estado emocional. Senti, enquanto lia, um aglomerado de sentimentos como pena, rancor, tristeza, encantamento e felicidade, e embora seja curto, foi desenvolvido muito bem. Não há buracos ou perda de coerência durante a 'timeline' do conto. Sobre a escrita do jovem Raigor, é indiscutível a citação de pontos ruins, pois a mesma é detalhista e bem apresentável.

Como em meu último livro lido, o isolamento também é uma parcela importante a se entender na fábula, contada com rapidez, objetividade e consciência, expondo um lado didático muito chamativo. No conto, o leitor entende de modo pronto, os rumos do príncipe, que enfrenta, na infância, o autoritarismo do rei, situação que marca bastante o herói. Falando neles, os personagens são, de certa forma, brilhantes, pois cada um tem preceitos a transmitir. Assim como a jogada do (certo e errado), e do necessário e desnecessário, conduzindo o leitor à dualidade, ao equilíbrio proporcional ocasionado pelas personagens e suas características.

''De dia era verão. O sol aparecia com toda a sua tenacidade. De tarde, era outono. As folhas caíam com certa delicadeza. De noite, era inverno. Era quando os moradores compartilhavam as memórias do tempo em que o gelo reinava.''

A descoberta de que as aparências distorcidas não definem o que um ser realmente é, está disposta num talhe muito atraente da composição de Raigor. A recusa do povo, em determinado momento do conto, faz lembrar a sociedade atual e seus preconceitos ridículos, uma sociedade que critica sem saber ou buscar os verdadeiros motivos que trouxeram tais decorrências aos indivíduos. São desnecessárias, para este conto, quaisquer comparações citadas à clássicos da literatura ou cinema como fizeram alguns 'resenhistas' através do Skoob, pois a credibilidade do autor está justamente na comprovação de seu talento ao criar, conduzir e transmitir com sabedoria a sua história. 

''A princesa de fogo ficou profundamente comovida com os sentimentos do príncipe. Ela também sentia o mesmo. Então, aproximou-se dele e o abraçou agudamente. O gelo do príncipe, que havia começado a derreter, afetou a princesa de fogo de tal forma que suas chamas começaram a se apagar com o líquido.''

Achei perfeita a observação sobre o encontro do verdadeiro amor e a descoberta dos personagens sobre este sentimento mais nobre do mundo. Em cerca de quinze minutos é possível se encantar com o núcleo exibido por Raigor, de forma real, e sofrida em alguns momentos, mas que traz um final bastante meritório. É uma criação que merece aplausos e muito prestígio. Esta é uma matéria que deveria estar no ar há tempos mas que finalmente encontra o seu lugar merecido entre as indicações do Marcas Literárias. 

6 comentários:

  1. Eu li esse conto pelo Kindle e, simplesmente é maravilhoso! É incrível como as coisas mais simples têm a capacidade de mexer com o nosso interior de maneira agradável e até mesmo surpreendente, foi o que aconteceu comigo ao ler esse conto. A sua resenha tá perfeita cara, parabéns. Forte abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Luciano, a simplicidade do conto é um dos pontos mais alto, assim como a capacidade de tocar o leitor e passar o que o autor propõe. Realmente só consegue esse feito aqueles que esbanjam talento. O cara é muito bom. Adorei o conto.

      Grato pelos elogios quanto à matéria. Abraços.

      Excluir
  2. Gente, que livro lindo! E que resenha bem construída. Tenho esse livro em ebook, mas quero ele em físico. Depois dessa resenha só aguçou consideravelmente minha vontade em lê-lo, deixarei os livros que estão na Lista de lado e darei prioridade a este. Acredito que uma boa resenha cumpre o seu objetivo que é exatamente de despertar o desejo do leitor. Parabéns moço! 💜💚❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado minha querida, espero que o conto lhe surpreenda também. Pode ser encontrado na Amazon e não existe livro físico deste conto. Só tem 9 páginas, é uma leitura bem rápida.

      Excluir
  3. Parabéns Léo pela resenha espetacular de um livro fantástico. Vou relê-lo.Vale muito pelo aprendizado.Beijos!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Luh, grato.

      Suas visitas são prazerosas e seus comentários sempre bem-vindos, adoro!

      Beijos.

      Excluir

Conheça mais sobre o fundador do Marcas Literárias

LIVROS DO AUTOR LUCIANO OTACIANO EM DESTAQUE

#PapoComAmanda: Especial Halloween

Artigos, crônicas, contos, poesias e destaques