Caminhos opostos


Muitos de nós, em certas ocasiões vamos vivendo sem direção. A direção aqui, que digo, não é a direção geográfica, pois esta nós a seguimos muito bem, como o trajeto que fazemos para ir ao trabalho.  A direção ao qual eu estou me referindo é o eterno conflito entre seguir o coração ou a razão. Qual desses dois caminhos você tem seguido? Se seguirmos sempre com a razão, certamente viveremos de forma correta, no entanto, às vezes não é a direção certa a seguir. Se seguirmos o caminho do coração, quase sempre o sofrimento virá, e costuma deixar estragos e nem sempre os estragos que ele causa são curados. Não é nada fácil encontrarmos o equilíbrio, entre esses dois caminhos tão diferentes, que às vezes até se interligam e, ao mesmo tempo, tão importante para nós, principalmente quando o assunto é o amor.

Geralmente costumamos fazer escolhas acertadas em nosso cotidiano, quase sempre para nós não é difícil acertarmos uma escolha, quando surge aquela dúvida, escolher a carreira profissional, ou que área fazer um novo curso que nos interesse, ou para que cidade mudar-se, quando a atual já deu no que tinha que dar. Contudo, no amor costumamos piorar tudo. Se começamos em um relacionamento amoroso, geralmente colocamos os prós e contras na balança, para termos uma ideia de que a pessoa escolhida dará certo ou se findará ao fracasso. Isso ocorre, principalmente se a paixão que temos por alguém  não nos leve a fazer certas ditas loucuras, aquelas insanidades que costumamos fazer por amor a alguém. Nesses casos deixamos totalmente a razão de lado, bem quietinha, guardada em nosso consciente. E nos entregamos de corpo e alma guiados pela voz do coração. Certamente é maravilhoso não é mesmo? Quem é que nunca viveu um romance assim? Ou pelo menos imaginou viver uma loucura de amor?

Quando não há aquela paixão, com aquela química que costumamos dizer quando parece que os corpos se atraem mutuamente e que nada mais importa na vida, a não ser viver o amor de forma arrebatadora. Aí, complicamos tudo, outra vez. Vamos colocando obstáculos, empecilhos, tudo para não entrarmos como deveríamos entrar na relação. E, quando nos damos conta o relacionamento fracassou. O que se vê atualmente é que muitas pessoas  não têm tido a paciência necessária para o amor. É certo que os tempos mudaram, as pessoas mudam, o mundo mudou. A natureza muda. Tudo muda. E, nessa metamorfose, nós esperamos que o amor mude. No entanto o amor não se muda, o sentimento é imutável. Desde os primórdios tempos o amor sempre foi amor, e sempre será. O que mudou foi a gente. Estamos cada vez mais frios em relação ao sentimento mais sublime do planeta. As atrocidades são muitas, e parece que não há mais volta. Estamos destruindo o planeta, as pessoas se destroem incessantemente sem ao menos perceberem que o fazem. Os animais estão em extinção, muitas espécies desapareceram do planeta, e o número aumenta a cada dia. A vegetação está dando lugar às cidades, muitas vezes de forma desordenada, gerando favelas e mais favelas, deixando aqueles que ali vivem de forma precária e desumana em alguns casos. A violência, saúde e a educação, não preciso nem dizer! Onde vamos parar? E, nesse nosso viver, nos perguntamos quando estaremos prontos para certas coisas em nossas vidas? Sair da casa dos pais, conquistar a tão almejada independência financeira e por aí vai. No amor é a mesma situação. Quando estaremos prontos para o amor? O que me parece é que nunca vamos estar preparados para ele. Isso é fato! Precisamos assumir isso e nos perguntar. Será que a hora é essa? Estou pronto? Não. A resposta é não. Nunca estaremos.

A vida simplesmente acontece e não marca hora para acontecer. Ela acontece no presente, no agora. Então, gente, vamos parar de nos enganar. Olhe para trás e veja o que conquistou em sua vida. Até que se enxergue que realmente nunca se estará pronto, mas as conquistas vieram e virão. Lembre-se disso, não se esqueça! Os fracassos também, eles fazem parte do pacote. Assim é a vida. E, não dá pra fugir. Temos a ideia de um dia construir e nos esquecemos que já estamos construindo na arte de viver. Eu costumo dizer que a vida só vale para quem se entrega à ela, sem bloqueios, sem medos e sem aquela insegurança boba que temos ao enxergar no futuro o que não conhecemos. Simplesmente viva, fazendo isso, o resto é consequência da própria vida em nos dar aquilo que merecemos.

6 comentários:

  1. Excelente. Na verdade, são duas reflexões ao mesmo tempo.

    O ser humano é capaz de muitas coisas a favor e contra, e nem sempre se dá conta disso.

    A questão do ambientalismo é, sem dúvida, uma grande problema encontrado há muito tempo no mundo pois a grande maioria ainda não se conscientizou de que os aprendizados não são colocados em prática. Isso deveria ser observado com mais atenção por todos nós.

    Quanto ao amor, tema que você fala toda a semana por aqui, também merece ser mais analisada profundamente pela galera, que se amedronta mesmo quando defrontados pela situação citada no texto. Você fechou com chave de ouro a ideia do contexto: 'Simplesmente viva, fazendo isso, o resto é consequência da própria vida em nos dar aquilo que merecemos.'

    Valeu, abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. A questão do ambientalismo é bastante séria, mesmo sabendo disso, muitas pessoas não dão o devido valor a situação. Valeu Leonardo. Abraços!!

      Excluir
  2. Olá Luciano!!
    Como sempre sendo maravilhoso ao escrever suas reflexões!!
    Realmente hoje em dia as pessoas estão mais frias para o amor, e é como eu digo "Se for para se relacionar com algo frio, prefiro minha geladeira''
    Beijos,
    https://teattimee.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi, Luciano!
    Adorei o texto. Quem nunca se sentiu sem direção?
    Sei que eu já, sorte que no momento sei para onde quero ir e estou a caminho.
    E como sou uma pessoa super emocional, sempre sigo o coração, não a razão, o que pode ser problema várias vezes, hahaha.
    :P

    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Oi, Teca!
      Nem me fale de seguir a voz do coração, eu a sigo quase que sempre, apesar de quebrar minha cara na maioria das vezes, é o caminho que opto com frequência. No entanto vejo que às vezes tenho de seguir a razão, mas não é nada fácil, pois sou emocional aí complica bastante. Obrigado por deixar seu comentário e a parabenizo pelo lançamento de seu novo livro. Sucesso e abração!

      Excluir

Conheça mais sobre o fundador do Marcas Literárias

LIVROS DO AUTOR LUCIANO OTACIANO EM DESTAQUE

#PapoComAmanda: Especial Halloween

Artigos, crônicas, contos, poesias e destaques