'A Página Perdida de Camões - O Enigma d'Os Lusíadas' e um assassino em série


Aventura: circunstância ou lance acidental, inesperado; peripécia, incidente; conjunto de fatores que determinam um acontecimento ou um fim qualquer; eventualidade; relacionamento amoroso passageiro; façanha de cavaleiro andante ou de cavalaria. Os mais perspicazes indivíduos poderiam ainda conceituar o termo aventura com mais definições favoráveis acerca dos momentos, entretanto, até os mais simples conseguem entender que A Página Perdida de Camões - O Enigma d'Os Lusíadas é, sem dúvida alguma, a grande aventura vivenciada não apenas por Santigo — o protagonista — e os demais amigos personagens e vilões, mas também pelo mais atento leitor e admirador de um bom suspense cheio de grandes segredos. Esta aventura, em especial, é uma referência direta ao príncipe dos poetas do Ocidente, Luís Vaz de Camões, português nascido provavelmente em 1524 e desaparecido por volta de 1579. Apesar de poucas certezas sobre a trajetória do poeta, Luciano Milici, jovem autor integrante do grupo da Editora Évora, suscita extraordinários momentos históricos a respeito do poeta e de suas epopeias no livro publicado com o selo Generale pela Editora Évora. Os Lusíadas, obra muito significativa no mundo das raridades literárias escrito por Camões quase foi perdido em um naufrágio no rio Mekong, e segundo relatos de historiadores, salvar o manuscrito em vez de sua amada Dinamene foi a escolha do poeta. Ele também escreveu Parnaso, obra com muito cultura, filosofia e doutrina que foi perdida no meio do caminho de sua trajetória, aliás, essa é a história que contam! O eixo na narrativa é baseado na temática desta página perdida, que conteria, supostamente, informações sobre a localização da lendária Máquina do Mundo, ou seja, uma relíquia literária com abrangência mundial.

A finalidade do autor, além de entreter o leitor com muita aventura, mistérios e assassinatos, é atingir em cheio um público estimulado pelo conhecimento, afinal esta ficção mexe com partes reais e não reais, gerando no leitor uma gama de razões para desconfiar da história e deixar que sua imaginação a respeito do grande conhecedor de filosofia, ciências e também astronomia, determine o que é e o que não é verdade. A Página Perdida de Camões - O Segredo d'Os Lusíadas é um livro fascinante, repleto de referências poéticas, literárias, musicais, filosóficas e culturais relacionadas também ao classicismo de Camões. A aventura de Santiago em busca da página perdida instiga o leitor o induzindo a acrescentar-se ao movimento histórico retratado na obra. Até que ponto a ficção pode adentrar o mundo da realidade do aclamado português? Embarque nessa busca também e conheça um mundo à parte exibido pelo autor.



A Página Perdida de Camões / Luciano Milici / 392 páginas / 2012 / Editora Évora /
Ficção / Suspense policial / COMPRAR


O jovem pesquisador, mestre em enigmas e fã de literatura, Santiago Porto, recebe de uma misteriosa e bela mulher, a missão de desvendar a história real do poeta Luis Vaz de Camões e encontrar o seu maior segredo: a página perdida, um fragmento inédito de "Os Lusíadas" procurado por seitas e homens perigosos desde a publicação da epopeia há 440 anos. Oculta por enigmas, anagramas e charadas, sua descoberta pode revelar a localização da lendária Máquina do Mundo. Enquanto um terrível serial killer aparentemente relacionado aos poemas de Camões tortura e mata suas vítimas deixando recados ameaçadores à polícia e à imprensa, Santiago - com ajuda de seus estranhos amigos e do acaso - infiltra-se em reuniões secretas, desvenda segredos seculares e aproxima-se, a cada dia, do maior tesouro da língua portuguesa ao mesmo tempo em que tenta salvar a própria vida.



O intelecto protagonista Santiago Porto parte em uma jornada repleta de acasos e perigo e com muitas pitadas de horror e fantasia desninhadas em uma esfera poética incrível. Com uma escrita muito empolgante que abraça o leitor, Luciano Milici o convence a caminhar atento por entre as linhas deste enigmático enredo à procura do tesouro proposto. O livro revela momentos históricos muito marcantes da cultura, ciência e filosofia mundial, que atravessaram séculos e reformaram-se em partes. O autor consegue unir vericidade com apólogo tornando sua obra uma verdadeira obra de arte literária.

''O fato de você saber que a página existe já é a primeira e mais importante pista; por isso não conte nada a ninguém. Faça o que você faz de melhor: pense, pesquise, deduza. Aproveite os novos documentos que chegaram às suas mãos, estude-os. A página foi vista pela última vez no Brasil, é só isso que sei... Santiago pegou alguns livros que ilustravam a queda do teocentrismo medieval, momento em que a valorização do pensamento humano baseada no passado grego retornou. Naquela época, a natureza humana voltou a ser exaltada, bem como a capacidade de realizar, conquistar, inventar, criar e produzir. 'Nesse período, o aprimoramento das artes e ciências trouxe luz ao mundo'...''

Neste mundo à parte o leitor se sente muito satisfeito e preso ao adentrá-lo para satisfazer sua curiosidade afim de encontrar preciosidades a respeito do grande poeta. Milhares de possibilidades aguçam a mente do leitor. A aparição do assassino deixa o enredo muito mais propenso ao novo já que suas próximas vítimas, embora sejam encontradas sempre com referências poéticas de Camões, são sempre grandes mistérios. A caracterização do mesmo e de toda a história de suas personagens testemunham a capacidade intelectual do autor e a veracidade de suas apresentações. É como se vários pedaços de Santiago Porto fossem, na verdade, partes do próprio autor, um quebra-cabeça humano, um outro enigma que o leitor vai descobrindo aos poucos em sua leitura. Há pistas — até mesmo reais — por todos os lados em A Página Perdida de Camões, e em todo o momento o leitor mais atento será desafiado intelectualmente, e todos esses acontecimentos se dão ao som do velho e bom rock and roll. Milici traz referências grandiosas desse mundo singular, com canções e citações de bandas que deixam o clima da aventura ainda mais interessante. Ele consegue envolver num mesmo mundo, poesias, momentos históricos, astrologia, filosofia, terror e música, deixando o leitor muito à vontade com a trama.

Em seus relatos sobre Camões, Milici demonstra sagacidade e as informações sobre o príncipe dos poetas não se limitam apenas as comuns histórias e poemas citados sempre por historiadores, e mesmo que o leitor não conheça o poeta, acaba assimilando uma verdadeira aula sobre o século dos acontecimentos, Portugal, o classicismo e Luís Vaz de Camões, o grande renovador da língua portuguesa. ''Camões era considerado o Homero de Portugal. Ele foi criado para celebrar as glórias da nação que livraria o mundo da pobreza, miséria e atraso. Tinha uma mente disciplinada, sistemática, ordenada e simétrica. Portugal estava destinado a ser o farol do mundo, como outras nações foram em períodos anteriores.''

''Existem, entre as crenças humanas, aquelas que pregam que o destino rege a vida das pessoas. Que tudo está escrito de maneira infalível. Outras filosofias e religiões, porém, defendem que o homem é livre para escolher seus caminhos e pagar por suas decisões. Chamam essa capacidade de livre-arbítrio. Para eles, os seres humanos têm liberdade de escolha, mas a divindade já sabe qual escolha será feita.''

Na verdade, o ponto central da obra não é fixo somente nas questões relacionadas a Camões, ao Parnaso e epopeias, e a Máquina do Mundo, mas o eixo que apresenta o assassino em série torna-se um caso à parte, um momento em que o leitor aguarda ansioso para que se repita. A busca desenfreada por pistas que levem as personagens à identidade e motivos do assassino é tão excitante quanto os outros pontos exibidos pelo autor. O leitor, o autor, as personagens e todos os mistérios se interligam na leitura. A escrita do autor é jovem, descomplicada e muito eficiente, embora parte do assunto tratado seja realmente indicado para leitores mais perspicazes e acostumados a histórias de mistérios. Entretanto, àqueles que adoram uma boa investigação, crimes e a aquisição de novos conhecimentos se darão muito bem com a apresentação de A Página Perdida de Camões. 

''O Assassino usava um papel francês para enviar seus recados às vítimas. Com a quinta vítima, deixou um trecho do quinto canto, que dizia: 'Eu sou aquele oculto e grande Cabo a quem chamais vós outros Tormentório'...''

Os elementos de formação do autor  aparecem em vários momentos do enredo e são um grande diferencial para uma avaliação final. Amante do terror, Luciano Milici escreve desde os seis anos histórias de fantasia, horror e ficção e é cofundador do site Boca do Inferno. Não poderia mesmo faltar nesta fantástica obra as pitadas deste belo gênero.

''Meia-noite. Os três se dirigiram ao Cemitério da Consolação. Dos 22 cemitérios públicos da cidade de São Paulo, essa era a necrópole mais antiga em funcionamento e a maior referência em arte tumular do Brasil. Valente, Santigo e, principalmente, Adso não conseguiam admirar os arcanjos e santos presentes sobre as pesadas lápides de mármore.''

Os ideais de justiça e perfeição são pontos importantes defendidos por Luciano Milici em sua obra, assim como a ideologia sobre sorte, destino e perseverança. A Máquina do Mundo pode ser a representação abstrata da esperança pela justiça, afim de livrar parte da humanidade da pobreza e miséria além de contribuir com um avanço tecnológico e científico. A lapidação de um protagonista sábio em ações e ideais, persistente e objetivo, deixa o modelo da estrutura eficiente para designar o volume. Fica evidente através da história apresentada por Milici, a técnica superior de Luís Vaz de Camões em seu tempo; a grandeza humana deste símbolo da arte mundial é, sobretudo, o desnível das culturas do mundo clássico. Sua sabedoria afim de esconder de sua descendência um artefato singular, pode lhe dar um título de verdadeiro mestre do Ocidente. Sua filosofia e doutrina são até hoje motivos para uma pesquisa à parte. O livro pode ser indicado para pessoas de grande interesse filosófico, astrológico, literário e cultural, assim como para quem é amante dos nacionais. Esta obra, em suma, é a prova de que em solo brasileiro há talentosos profissionais no meio da literatura. Luciano Milici é uma das figuras nacionais mais inteligentes que avistei neste ano. Ler seu livro foi proveitoso demais, embora em alguns momentos eu tenha me perdido nesta busca pela página perdida. Minha falta de atenção foi um dos motivos, entretanto, em alguns instantes há informações que se repetem no enredo e talvez tenha sido desnecessário mesmo se tratando de uma aventura onde recolher e revisar pistas seja essencial para o sucesso.


10 comentários:


  1. Resenha show Leonardo, está bem completa e, que livro sensacional é esse hein? Lendo a resenha pude perceber que a obra é espetacular, muitos detalhes para desvendar o enigma, fantástico. Eu particularmente adoro obras assim, deixo aqui o meu parabéns ao autor. Abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Luciano, creio que esse livro tem tudo a ver com você. A perspicácia do leitor éum diferencial para o entendimento desta ficção histórica.

      Abraços.

      Excluir
  2. Muito boa a apresentação do livro.Confesso que me interessei pelo livro! Mim vi desvendando os enigmas, já querendo persegui cada pistas.

    Lembro-me quando fiz Letras e estudávamos Camões e das historias que li dele, os poemas , amava-os , tentava decorá-los, na verdade a bagagem literária deixada por ele é de inestimável valor. Os Lusíadas foi dedicado a D. Sebastião rei de Portugal, havia de certa forma a intenção de narrar os grandes feitos do povo português.

    Apesar de Camões ser tão conhecido pelo meio literário morrera na pobreza, isso era algo que eu não queria aceitar, e percebi que quem escreve não pode viver desse oficio apenas, rs, faz um tempo, e continuo pensando igual.

    Ótima resenha. Parabéns moço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelas informações adicionais sobre Camões e Os Lusíadas, Geh, como sempre você sempre trazendo seus conhecimentos à tona para a turma do Marcas através de seus comentários.

      Beijos!!!

      Excluir
  3. Olá!
    Eu não sou um fã apaixonado de leitura com tom histórico, mas essa mistura com a ficção, com a aventura e o suspense me deixou curioso. Não conhecia o livro, mas fiquei tentado a pesquisar mais sobre ele e quem sabe ler. Ótima leitura da obra.

    Um abraço.
    Diego, Blog Vida & Letras
    www.blogvidaeletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Diego, obrigado pela visita, amigo.

      A obra é muito interessante e o Milici é um autor talentoso demais. O enredo é mesmo muito envolvente. Recomendo.

      Grato pelo elogio.

      Forte abraço.

      Excluir
  4. Oi
    parece ser um livro interessante, gosto das resenhas daqui pois na maioria das vezes são de livros que quase não vejo outros blogueiros comentar.

    momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Denise, obrigado pelo elogio. O objetivo do Marcas é exatamente este, além de trazer os conhecidos, mesmo que raramente, os ainda pouco divulgados precisam dessa visão do público.

      O livro é ótimo, recomendo.

      Beijos.

      Excluir
  5. Estou com esse livro aqui para ler, e assim que eu tiver tempo pretendo realizar a leitura! O acabamento dele é impecável e a história ao que parece, também é! Espero que eu goste e.e

    Abraços,

    Blog Decidindo-se \o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Vinícius, obrigado pela visita, cara!

      Quando ler, volte aqui e deixe a sua opinião, é importante pra gente ir formando um bom debate sobre as nossas leituras. Adorei o livro e acho que você também vai se fascinar com a leitura.

      Abração.

      Excluir

Conheça mais sobre o fundador do Marcas Literárias

LIVROS DO AUTOR LUCIANO OTACIANO EM DESTAQUE

#PapoComAmanda: Especial Halloween

Artigos, crônicas, contos, poesias e destaques